Resiliência no contexto do adoecimento e hospitalização de crianças e adolescentes: risco, proteção e processos de enfrentamento

Resumo: O adoecimento e a hospitalização representam um contexto de risco psicossocial e vulnerabilidade ao estresse, tanto para a criança e o adolescente como para sua família. Trata-se de uma experiência que pode ser extremamente traumática para todos os envolvidos, pelos vários estressores associados, como a exposição a procedimentos médicos invasivos, dor, afastamento familiar, restrição das atividades lúdicas e escolares, além da incerteza com relação à sua saúde. Inúmeras condições de adoecimento expõem as crianças à experiência de hospitalização, entre elas as doenças agudas, os traumas e as doenças crônicas. Entre as doenças crônicas, o câncer infantil aparece como um estressor que se diferencia nos vários momentos do curso da doença: diagnóstico, tratamento e após; sendo que há situações particulares que podem ocorrer, como a recidiva da doença, necessidade de cuidados paliativos e morte. Diante da adversidade do adoecimento e da hospitalização, a criança e a família precisam regular suas emoções, seu comportamento e sua atenção, de modo a adaptar-se a situação, o que caracteriza o coping. No processo de coping, variáveis psicossociais familiares relacionadas ao risco e à proteção se fazem presentes, podendo afetar o modo como as crianças lidam com os estressores, especialmente, aqueles relacionados à hospitalização. Desse modo, a proposta de pesquisa tem como objetivo descrever e analisar os processos psicológicos relacionados ao enfrentamento de estressores do adoecimento e da hospitalização no câncer infantil e, também, em outras doenças que acometem crianças e adolescentes. Para tanto, propõe-se a realização de três estudos, sendo um direcionado à população de crianças e adolescentes hospitalizados por doenças diversas, e dois direcionados à população de crianças e adolescentes com câncer. Assim, propõe-se: Estudo 1 (E1)- Adaptação da Escala de Coping da Hospitalização (COPE-H) para uma versão informatizada; Estudo 2 (E2)- Avaliação longitudinal de risco psicossocial em famílias de crianças e adolescentes com câncer; e Estudo 3 (E3)- Coping e qualidade de vida de crianças com câncer. Os estudos terão delineamentos metodológicos variados, de modo a responder aos objetivos propostos. Em comum, será composta uma amostra de crianças e adolescentes hospitalizados, e seus familiares, internados em hospitais vinculados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e universidades, em diferentes estados brasileiros (ES, DF, MT e MG). Os participantes responderão aos instrumentos: (a) Psychosocial Assessment Tool (PAT) – Avaliação de Risco Psicossocial (E2); (b) Escala de Coping da Hospitalização (COPE-H) (E1 e E3); (c) Lista de Verificação Comportamental (CBCL/6 a 18 anos) (E1); (d) Kidcope (E1); (e) Escala de Coping da Hospitalização, Adoecimento e Tratamento (COPHAT) (E1); e (f) Pediatric Quality of Life (PedsQL – Módulo Câncer) (E3). Características sociodemográficas e clínicas serão coletadas, por meio de questionário especialmente elaborado para os estudos. Os dados obtidos serão submetidos à análise estatística descritiva e inferencial, de modo a: verificar correlações entre o enfrentamento da hospitalização e do adoecimento de crianças e adolescentes, e variáveis sociodemográficas (sexo e idade) e clínicas (diagnóstico) (E1); comparar indicadores de risco psicossocial no início do tratamento (Tempo 1 [T1]) e após 6 meses (Tempo 2 [T2]) (E2); verificar correlações entre o coping e a qualidade de vida de crianças e adolescentes com câncer, em diferentes fases do tratamento oncológico (E3). Espera-se que essa pesquisa contribua para a compreensão de processos de resiliência no contexto do adoecimento e hospitalização, no câncer infantil e em outras doenças, a partir da avaliação de variáveis psicossociais junto às crianças e suas famílias. Os estudos contribuirão para a formação de pesquisadores em Psicologia da Saúde e, mais especificamente, em Psicologia Pediátrica, com a capacitação de alunos de graduação e pós-graduação. Para o alcance dos objetivos propostos, solicita-se o auxílio financeiro na Faixa C, na área de Tratamento e Prevenção Psicológica (principal), com uma bolsa de iniciação científica.

Data de início: 2019-04-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Jallana Rios Matos
Coordenador Alessandra Brunoro Motta Loss
Pesquisador Tatiane Lebre Dias
Pesquisador Sonia Regina Fiorim Enumo
Pesquisador Kely Maria Pereira de Paula
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910